Cléa Sá

Xênia

Eugênio Montale

I

Querido pequeno inseto

que chamavam de mosca, não sei por quê,

esta tarde quase ao escurecer

enquanto lia o Segundo Livro de Isaías

reapareceste ao meu lado,

mas não tinhas óculos,

não podias me ver

nem podia eu sem aquela centelha

reconhecer-te no escuro.

…….

4

 

Havíamos estudado para o além

um assobio, uma senha de reconhecimento.

Experimento reproduzi-lo na esperança

de já estarmos todos mortos sem saber.

 

9

 

Ouvir era tua única maneira de ver.

A conta do telefone se reduziu a bem pouco.

 

10

 

“Rezava?”. “Sim, pedia a Santo Antônio

que a fizesse encontrar

sombrinhas perdidas e outros objetos

do guarda-roupa de São Hermes”.

“Só por isso?”.”Também pelos seus mortos e por mim”.

“É o suficiente” disse o padre.

________________________________________________________________________________________________

Eugênio Montale nasceu em Gênova em 1896. Poeta, crítico e tradutor é considerado o mais expressivo representante italiano da poesia hermética. Recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1075 e morreu em 1981.

 

Uma opinião para “Xênia”

  1. mbt outlet
    13/06/2013 at 01:11 #

    Xênia | C&C