Stanley Kubrick, de olhos bem abertos


Stanley Kubrick, cuja exposição foi um dos maiores sucessos de 2013 no Museu da Imagem e do Som de São Paulo (esse é o último fim de semana da mostra), é mais conhecido por seus trabalhos como diretor de cinema em filmes como 2001: Uma Odisséia no Espaço, Lolita, Dr. Strangelove, Laranja Mecânica, Spartacus, De Olhos Bem Fechados, etc; mas muito antes de entrar para Sétima Arte desenvolveu uma grande habilidade com a câmera fotográfica, mostrando desde cedo um olhar apurado.


Segundo uma de suas biografias, aos 17 anos, em 1945, ele teria vendido por U$ 25 à revista Look a fotografia de jornaleiro triste pela morte do Presidente Franklin D. Roosevelt, o grande líder estadunidense durante a Segunda Guerra Mundial. Com isso, acabou, meses mais tarde, se tornando o mais jovem fotógrafo já contratado pela revista. O trabalho como fotojornalista de Kubrick, com ângulos incomuns, excelente composição e altos contrastes de preto e branco, nos dá uma visão diferente sobre onde o renomado diretor treinou seu olhar na captura de imagens de imenso impacto e sensibilidade que iriam permear suas obras no cinema.

As fotos apresentadas nesse post, todas dos anos 1940, estão entre as 25 selecionadas (de 10 mil negativos) para uma exposição que ficou meses em cartaz no Museu da cidade de Nova York entre 2011 e 2012. Assim como a mostra no MIS, elas nos revelam um pouco da complexidade visual de um autor que iria revolucionar os efeitos especiais, os filmes de terror, as comédias de humor negro… Uma festa para os olhos.

Sem comentários ainda.