sou) Menino (e o) Passarinho


Esse ensaio fotográfico feito pelo conceituado fotógrafo australiano Cameron Bloom, com mais de 20 anos de história na fotografia, surpreendeu meio mundo. São cenas inusitadas de uma amizade especial entre seu filho, Noah, e um passarinho, da família dos corvos, que recebeu o nome de Penguin, ou pinguim em português, ironicamente um pássaro que não voa. Apesar da família ter três filhos, é com Noah que o pássaro mais gosta de ficar. Foi ele que acolheu o Penguin, abandonado pela família ainda muito filhote, e quem o bichinho escolheu para amar e ser seu parceiro de aventuras.


Penguin não sai da casa do fotógrafo, onde não há gaiolas e ninguém pensa em prendê-lo. Foram meses de janelas e portas abertas, até que o pássaro ter certeza de que podia se render sem medo ao encanto do menino e aí a sementinha da amizade já havia germinado. As imagens são reais e, talvez por isso, se tornem ainda mais impactantes num mundo onde a violência e o descaso predominam. As fotos sensíveis são fruto de um olhar poderoso, que soube captar a pureza de uma verdadeira amizade, em tempo certo.


Bloom é vencedor de diversos prêmios internacionais e tem parte de seu acervo fotográfico nas mãos de colecionadores de arte. Sua paixão é a arte tribal que o levou a conhecer profundamente a Austrália e produzir ‘Shields da Melanésia”, livro de 287 páginas encomendado pelo Museu do Sul da Austrália. Também realizou duas exposições individuais de sucesso com seu trabalho no Oriente Médio e na Etiópia, levantando fundos para o Addis Ababa Fistula Hospital.

“Ao fazer retratos eu tento capturar um sentimento ou qualidade na pessoa. Gosto muito de usar o contraste para fortalecer meus clicks. Textura, cor e iluminação são todos elementos complicados que podem ou não compor um grande retrato”. Imagina se nosso Bicudinho (o sabiá que nasceu no quintal de casa) resolve voltar e ser amiguinho assim da Maya? O duro vai ser segurar a Frida, que adora “uma penosa” por motivos bem diferentes…

4 Responses para “sou) Menino (e o) Passarinho”

  1. Sonia Bastos
    13/10/2015 at 13:20 #

    lindo!!!!

  2. Vinicius
    13/10/2015 at 03:04 #

    O Clea,

    obrigado pelas palavras. ando meio sem tempo pra poesia, mas de vez em quando ela berra pra sair.

    segue o post mencionado

    bjs
    V

    “nosso bicudinho bateu asas e saiu do ninho ontem. ficamos meio tristes pq nos acostumamos a ver seu progresso e a atenção dos pais nas ultimas 3 semanas. vcs leram certo: não era só a mamãe sabiá que cuidava e alimentava ele, nao. o pai estava sempre por perto e na hora de ensinar a cantar e voar sua presença era ainda maior. hoje temos nosso quintal de volta pra churrascos, a Frida pode latir a vontade lá fora… o ninho está vazio e pouco a pouco será destruido pelo tempo. papai e mamae sabia estao por aih, provavelmente em arvores frutiferas e não mais numa plantinha de vaso roubada da vizinha que não gosta de natureza. do lado de cá ela rompeu o barro com as raizes e perfurou o cimento para crescer mais alta que os muros. Ano passado estávamos em Portugal nessa época. o ninho que papai e mamae sabiá usaram esse ano já estava lá e nunca tinhamos reparado. quem sabe ano que vem, quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos, nosso querido bicudinho volta para consertar o ninho abandonado. ele terá então uma companheira de peito amarelo para por mais tres ovinhos azuis com pintinhas marrons. com sorte, pelo menos um vai vingar. teremos mais 3 semanas de acesso restrito ao quintal. mas no final, mais um, dois ou mesmo tres sabias estarão alegrando quem tiver ouvidos pra ouvir a vida.”