Marcelo Tinoco – Na fronteira entre o hiper-realismo e o surrealismo

Imagens super coloridas que misturam fotografias reais em técnicas de tratamento digitalizado até a construção de cenários beirando o impossível mas que até parecem verossímeis. A série Fotorama, do fotógrafo Marcelo Tinoco, brinca com o real e o improvável para uma realização imagética à beira da ficção. O que faz grande sentido, como prova o professor e fotógrafo Boris Kossoy no seu fundamental “Realidades e ficções na trama fotográfica”.


O trabalho de Tinoco parte de uma linguagem muito antiga, anterior à fotografia, mas desenvolvida por um de seus criadores, Louis Daguerre, em 1822, e muito usada por fotógrafos de vanguarda atualmente: o Diorama. Trata-se de uma técnica para transformar imagens estáticas por meio de transparências de modo que se modifiquem conforme o ponto de vista. Isso cria, muitas vezes, uma ilusão de tridimensionalidade sem o uso dos famosos óculos.


Tinoco usa a fotografia documental e a computação gráfica para fundir fotogramas diferentes e imagens totalmente digitais para criar suas realidades alternativas em quadros de grande formato (um ou dois metros de lado) que parecem saltar das paredes ou nos permitir mergulhar nelas. No produto final, as interferências são tão grandes que já não é possível distinguir as fotografias originais. Com coragem de renegar uma única narrativa (o da fotografia em si), ele constrói um outro olhar que o aproxima de artistas como David LaChapelle, mas sem os rostos das celebridades do pop.

Depois de trabalhar muitos anos como publicitário, Tinoco vem se dedicando cada vez mais à fotografia a partir de 2009, tendo sua primeira exposição individual, Fotorama, realizada na Galeria Nuvem em São Paulo já no ano seguinte. Seu trabalho foi revelado ao grande público em 2012 pelo programa Nova Fotografia do Mis (Museu da Imagem e Som de São Paulo) com a série Timeless. Em seguida, conquistou vários prêmios, como o XIII Marc Ferrez, e passou a expor em vários lugares como na II Mostra do Programa de Fotografia do CCSP (São Paulo 2012/2013), na I Foto Bienal MASP / Pirelli, MASP (São Paulo 2013) e no MON (Curitiba 2013/2014). Mais do seu trabalho pode ser visto em http://www.zippergaleria.com.br/pt/#artistas/marcelo-tinoco/.

Sem comentários ainda.