Raquel Sá

Rudo y Cursi A vida é uma viagem.


Este ano tivemos a Copa do Mundo no Brasil, após 64 anos em que o evento foi realizado pela primeira vez no país. Assim como da outra vez, não nos sagramos campeões, porém o clima alegre dos jogos acabou contagiando boa parte da nação e, quando acabou o evento, me lembrei de uma comédia mexicana que trata do tema, Rudo y Cursi. No Brasil a produção ganhou o subtítulo de A vida é uma viagem. Mas, se fosse traduzido ao pé da letra, seria algo como Durão e Brega.

O filme marca a estreia na direção de Carlos Cuarón, irmão mais novo de Alfonso e roteirista de E sua mãe também, produção badalada de seu mano famoso. É a primeira produção da empresa Cha Cha Cha, que Alfonso tem em sociedade com os diretores Alejandro González Iñárritu (Babel) e Guillermo del Toro (O Labirinto do Fauno). Além disso, reúne novamente Diego Luna e Gael García Bernal, que viraram astros após estrelarem E sua mãe também.

O filme mostra a ascensão e a queda de dois irmãos jogadores de futebol, descobertos por um caça-talento no interior do México, enquanto trabalhavam na plantação de bananas. Rudo (Luna) e Toto (Garcia Bernal) jogam respectivamente como goleiro e atacante. Acompanhamos os bastidores dos jogos; da corrupção envolvendo negociações de jogadores; as apostas milionárias; e também o acesso fácil a drogas, a mulheres interesseiras e a agentes picaretas.

Os apelidos se referem à personalidade dos irmãos O goleiro adora brigar, por isso ganha o epiteto de rude e o atacante vira cursi por ter o sonho secreto de se tornar um cantor romântico. Por meio do humor negro, o diretor faz uma crítica ao mundo do futebol, com suas torcidas apaixonadas e os uniformes com cores berrantes, assim como aproveita para alfinetar a imprensa marrom e a música popular.

As situações são exageradas, beiram a caricatura, mas divertem. Destaque para o videoclipe em que Cursi lança sua carreira paralela de cantor e também para o jogo final, em que os irmãos se enfrentam, em times opostos.

Os atores principais estão bem e convencem como jovens ingênuos e deslumbrados com o sucesso. A narração é outro ponto positivo. Ela é feita com comentários argutos e provocativos do malandro Batuta (o ator argentino Guillermo Francella), o agente que os descobriu.

Os protagonistas representam estereótipos de jogadores reais. E é isso que torna o filme interessante, pois a produção guarda semelhanças com o universo futebolístico nacional. Temos muitos jogadores que saem da pobreza extrema para a riqueza, em ascensão meteórica. E, assim como Rudo e Cursi, também não sabem lidar muito bem com a mudança drástica no estilo de vida.

Aqui no Brasil, considerado “o país do futebol”, o filme foi lançado diretamente em DVD, entretanto pode ser visto também nos canais a cabo, que o exibem de vez em quando.
Rudo e Cursi – A vida é uma viagem

Nome original: Rudo y Cursi
Gênero: Drama
Direção: Carlos Cuarón
Roteiro: Carlos Cuarón
Elenco:  Diego Luna, Gael García Bernal, Guillermo Francella, Jessica Mas, Adriana Paz, Armando Hernández, Dolores Heredia.
Produção: Alejandro González Iñárritu, Alfonso Cuarón, Frida Torresblanco, Guillermo del Toro
Fotografia: Adam Kimmel
Trilha Sonora: Leoncio Lara
Gênero: Comédia Dramática
Ano: 2008
Duração: 103 min.
Classificação: 14 anos
————

Sem comentários ainda.