Raquel Sá

A datilógrafa / O grande Gatsby

 

 

Nas últimas semanas assisti na tela grande a dois filmes que valem o ingresso: o francês A datilógrafa e o hollywoodiano O Grande Gatsby. São propostas estéticas diferentes, que se comunicam bem com os seus respectivos públicos-alvo.
A datilógrafa é indicada para os que curtem um romance bem-feito, sem apelações de nudez ou piadas escatológicas. É muito agradável e o seu charme está em recriar a atmosfera pueril das produções norte-americanas dos anos 50, época em que a história se passa. A sonhadora jovem Rose Pamphyle (Déborah François), ao se mudar para Lisieux, descobre o talento para datilografar e os encantos de seu sisudo chefe Louis (Romain Duris), dono de uma seguradora. O final é previsível, mas mesmo assim a platéia se deixa envolver pelo enredo (e as peripécias da personagem principal).
Estréia do francês Régis Roinsard na direção de longas, o filme é uma homenagem as comédias românticas do período retratado (1959), que segue a fórmula adocicada do gênero com humor e charme.
Por outro lado, criou-se grande expectativa antes do lançamento da superprodução O Grande Gatsy, que virou um dos filmes mais aguardados do ano, principalmente para os leitores da obra original de F. Scott Fitzgerald. O sucesso de público é um pouco surpreendente, pois a história do self made man Jay Gatsby (Leonardo Di Caprio) e seu grande amor pela rica e tola Daisy (Carey Mulligan) se passa em 1922, no meio dos endinheirados norte-americanos do período, nos arredores de Nova York. O estilo extravagante do diretor australiano Baz Luhrmann combinou com os exageros luxuosos do protagonista, que promove festas homéricas em sua mansão com o intuito de chamar a atenção da amada. Os acessórios, as roupas, as jóias e até os carros da época voltaram à moda. A ousadia de Luhrmann de apresentar um clássico da literatura mundial em 3D e colocar rap na trilha sonora, com participação de artistas consagrados da atualidade, rendeu detratores à produção.
O romance descreve, com discreta ironia, a superficialidade da alta sociedade da época, seus amores, traições e amizades, além das glamourosas festas. O tratamento que o diretor Luhrmann dá a história reverbera tudo isso em uma montagem frenética de cores fortes, muito brilho e muita pompa.
Mas há acertos na escolha do afinado elenco e na forma de contar a história, com trechos do romance intactos nos diálogos e as características positivas do personagem principal, como o otimismo e o romantismo exacerbado. A narrativa é feita pelo recém-chegado a NY Nick Carraway (Tobey Maguire), primo de Daisy e aspirante a escritor, além de vizinho do milionário Gatsy. Nesta versão, ele foi transformado em alter-ego de Fitzgerald.
O livro não fez o sucesso esperado na época de seu lançamento, vendeu somente 25 mil exemplares, mas ao longo do tempo virou leitura obrigatória nos EUA (e respeitado no resto do mundo). Levado anteriormente ao cinema em 1926, 1949 e 1974 – com os astros Robert Readford e Mia Farrow –, a história nunca foi bem transposta para a telona.
A crítica ficou dividida, mas o comparecimento do público às salas de exibição pode transformar este filme no maior sucesso comercial de Baz Luhrmann. Porém, é preciso reconhecer que a estética teatral/artificial do diretor – já demonstrada em produções anteriores (Vem dançar comigo, Moulin Rouge, Romeu e Julieta, Austrália) –, não agrada a todos. Entretanto as suas escolhas cinematográficas provam que ele gosta de encarar desafios e consegue imprimir sempre o seu estilo nos trabalhos.
A Datilógrafa
Gênero: Comédia Romântica
Direção: Régis Roinsard
Roteiro: Daniel Presley, Régis Roinsard, Romain Compingt
Elenco: Romain Duris, Déborah François, Bérénice Bejo, Shaun Benson, Melanie Bernier, Nicolas Bedos, Miou Miou, Fréderic Pierrot
Censura: 12 anos
Duração: 111 minutos
O Grande Gatsby
Gênero: Drama
Direção: Baz Luhrmann
Roteiro: Baz Luhrmann, Craig Pearce
Elenco: Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire, Carey Mulligan, Isla Fisher, Joel Edgerton, Jason Clarke, Elizabeth Debick.
Censura: 14 anos
Duração: 142 minutos

 

 

Sem comentários ainda.