Regina Motta

A MAGIA DE MIRÓ


Este é o título da exposição apresentada pelo Projeto Caixa Cultural em Brasília/DF.

Joan Miró nasceu em 1893, em Barcelona, Espanha, filho de um ourives e de uma dona de casa. Foi uma criança tímida, retraída e gostava de desenhar. Sua infância não projetava o temperamento alegre, dinâmico do futuro artista. Resgatava, entretanto, o menino sonhador.


Aos 19 anos (1912) Miró dedicou-se à pintura. Em 1920, aos 26 anos segue para Paris integrando-se bem aos grupos de jovens artistas das margens do Rio Sena. Os estudos de arte e a convivência com outros artistas, poetas e escritores da época desenvolvem e afirmam sua arte.

De 1925 a 1928 transitou pelo Dadaísmo, Surrealismo, fixou-se na produção de inspiração onírica. Os elementos figurativos surgiram após seus estudos na Bélgica e Holanda.
Nos anos 30 sua produção tem um impulso com as criações de obras monumentais, como painéis, cenários e tapeçarias que foram exibidas nos Estados Unidos e na França.
No final dos anos 30 início dos anos 40, Miró volta à Espanha e sua produção é fortemente influenciada pela Guerra Civil Espanhola.


Em 1948 mergulhou no mundo onírico com a arte de forte conteúdo poético e temas como mulheres, pássaros e estrelas.

São realmente mágicos os momentos que passamos apreciando a coleção exposta. Pois se trata de uma coleção realizada por Alfredo Melgar que assim a define:
“Por trás de cada peça há uma história do meu relacionamento com os criadores. Não é uma coleção detalhada, sequer cobre certo período ou determinado movimento da História da arte. Trata-se de um álbum de recordações de meu privilegiado contato com esses artistas.”


Fruto de precioso trabalho iniciado em 1970, na Itália e desenvolvido ao longo dos anos, o colecionador conheceu artistas importantes quando na sua profissão como fotógrafo da galeria Maeght, em Paris. Teve contato com Miró, Calder, Giacometti entre outros. Mais tarde, em Madri, Espanha, torna-se galerista e editor de livros de arte.
A exposição mostra momentos íntimos de Miró, suas criações, até aos últimos dias de sua vida. São esboços, desenhos, gravuras que expressam o universo mágico do artista catalão.

Os esboços e alguns desenhos são da fase mística, com mulheres, pássaros e estrelas.
As gravuras, montadas em coleções de quatro obras são versões de uma mesma impressão. Partindo da litografia ou da gravura me metal, Miró pratica interferências sobre a obra impressa aplicando pinceladas de guache, nankin ou traços a lápis.

Miró teve sua obra premiada em Veneza (1948), E pela Fundação Guggenhein ( 1952) entre outras importantes premiações. O Museu de Arte Moderna de Paris realizou mostra de sua produção completa em 1963, com enorme sucesso.

Miró morreu aos 90 anos, no Natal de 1983, em Palma de Majorca, Espanha.
Suas palavras quando na última visita à praia foram: “É uma pena!”. E dizem tudo!

REFERÊNCIAS:
Catálogo da exposição da CAIXA CULTURAL “A Magia de Miró”;
Fotos: Regina Motta

Brasília, 30 de julho de 2015

2 Responses para “A MAGIA DE MIRÓ”

  1. vinicius
    31/07/2015 at 23:47 #

    vi a exposiçaõ quando estava em Sp. é linda, linda linda

    • Regina Motta
      Regina Motta
      01/08/2015 at 15:50 #

      Vinicius, obrigada pela apreciação. No entanto, se sua visita a São Paulo foi recente, você teve a oportunidade de apreciar outra mostra sobre Miró, mais completa do que a da Caixa Cultural em Brasília. Mas o grande artista é sempre magnífico, em pinturas, desenhos ou grauras!