Regina Motta

De arte e de artistas

Penso, em nosso encontro quinzenal, trocar ideias sobre arte e artistas. Arte abrange diversas leituras, como o som na Música, a palavra na Literatura, o desenho, pintura, gravura, escultura e instalação nas Artes Plásticas, a cena no Teatro, a expressão corporal na Dança e a imagem na sétima arte, o Cinema. E ainda as mais diversas formas de expressão como o circo e a performance.

Neste espaço conversaremos sobre artes plásticas e artistas.

Vamos iniciar definindo arte. Se é que se pode defini-la!

Segundo o dicionário HOUAISS é “a produção de algo belo ou extraordinário”.

Já no AURÉLIO “a capacidade que tem o homem de por em prática uma ideia, valendo-se da faculdade de dominar a matéria”.

Mas eu gosto mesmo é do que dizem os filósofos, artistas e críticos:

“Arte é dar prazer”. Robert Hughes.

“A arte continua sendo uma necessidade para os homens, caminho essencial de conhecimento e realização de vida”.  Fayga Ostrower.

“A arte não é apenas ornamental: mas um caminho em si, um modo de escapar do previsível e convencional, um mapa para a descoberta de si mesmo”. Gabrielle Roth.

A arte está presente no nosso cotidiano, no arranjo de flores, no estilo do sofá da sala, no desenho do tapete, na cor do carro, na roupa que escolhemos. É algo que diz respeito à vida de todos nós.

Agora vamos conhecer quem produz arte: o artista.

“O artista é aquele que se realiza expressando-se por meio de criação, da imaginação”. Jô de Oliveira e L. Garcez.

“Toda criação envolve responsabilidade diante do viver”. Fayga Ostrower.

“O belo teria que ser sentido, vivido pelo artista como um modo essencial de compreender a própria vida”. Fayga Ostrower.

E quem está diante de uma obra de arte? O espectador.

Ao apreciarmos uma obra de arte procuramos entender seu conteúdo expressivo a partir da forma global da imagem. Mas não necessariamente precisamos entender. O essencial é sentir, emocionar-se, gostar ou não, querer estar diante dela ou afastar-se revoltado. Simples assim.

“Observar é uma habilidade que depende de olhar com interesse dirigido, examinar minuciosamente, focalizar a atenção, concentrar o pensamento e os sentidos com vontade de ver, de aprender, de perceber os detalhes significativos. É como usar uma lente de aumento sobre algum objeto”. Jô Oliveira e L. Garcez.

Pronto.

Agora que já conhecemos os elementos do imenso prazer de produzir e apreciar arte, poderemos continuar nossa conversa na próxima quinzena.

Até lá.

 

 

 

 

 

 

Sem comentários ainda.