Regina Motta

Capela Sistina

Um pouco sobre a Capela Sistina

MICHELANGELO BUONARROTI tinha 37 anos quando entregou os afrescos* do teto da Capela Sistina, bastante contrariado, depois de intrigas, brigas, desistências e retornos. Assinou o recibo de três mil ducados (cerca de seiscentos e vinte mil dólares atuais) declarando que o escultor recebera os valores pelo trabalho de pintor …das mãos do Papa Julius IV.

A Capela Sistina foi o foco de jornalistas, fotógrafos  e público do mundo inteiro por abrigar  o Conclave que elegeu o novo Papa Francisco.

Mas sua história vai muitos séculos para trás.

A mando do Papa Sisto IV, daí o nome de Sistina, foi restaurada e em parte reconstruída sobre a antiga Capela Magna cuja arquitetura foi inspirada no Templo do Rei Salomão, do Antigo Testamento. A reforma iniciada em 1477 terminou em 1480, e só foi inaugurada em 15 de agosto de 1483, com o nome de Nossa Senhora da Assunção.

Ao ser entregue ao Papa a Capela só tinha as paredes laterais decoradas com afrescos. Paredes com 20,70m de altura mostravam, de cada lado, seis painéis representando cenas bíblicas. Do lado esquerdo, o Velho Testamento: do lado direito, o Novo Testamento. Grandes mestres da arte renascentistas foram seus autores, entre eles, Cosimo Rocelli, Pietro Perugino, Pinturicchio, Sandro Botticelli, Luca Signorelli, Ghirlandaio e outros.

A pintura do teto da  Capela Sistina encomendada em 1506 pelo Papa Julius II, sobrinho de Sisto IV, foi alvo de grandes intrigas. Donato Bramante, artista influente no Vaticano, não acreditava que Michelangelo,  um escultor, poderia fazer um trabalho tão amplo e de tamanha responsabilidade. Contratado, imediatamente após o primeiro pagamento, em 1508, iniciou os estudos do tema encomendado pelo Pontífice- a Vida dos Apóstolos. No entanto, em 1509, apresentou ao Papa novo tema, A Criação,  que foi aceito.

Michelangelo encobriu, com enormes tapumes e andaimes, todo o espaço. Nem o Papa conseguiria ver o que ele estava pintando! O teto medindo 40,93m de comprimento por 13,41 m de largura (cerca de 1.000 m2) começou a ser trabalhado em afrescos.

Michelangelo compôs um esquema dividindo a área em volutas e triângulos imitando a arquitetura da época. Um magnífico “trompe-l´oeil”.

Baseado no livro Gênesis do Antigo Testamento, em cada uma das volutas pintou profetas e figuras bíblicas.  Na parte superior, os intrigantes “ignudi”, jovens nus representando o mundo pagão. Os “putti”- crianças risonhas, os querubins e os escravos nos triângulos menores.

O mais impressionante é o espaço central, apresentando a Criação de Adão.  Deus, debruçado no firmamento, transmite com seu toque na mão de sua criatura, a energia vital numa cena de incrível beleza.

A obra foi entregue em 1512. Michelangelo voltaria à Capela Sistina 24 anos mais tarde para pintar a parede atrás do Altar. A obra de 14m de altura por 13,18m de largura, representa o Juízo Final. Belíssima, tem no centro o Cristo em toda sua força e beleza. Ao seu lado São Bartolomeu. Segundo historiadores o artista retratou várias personalidades da época nos espaços do Céu e do Inferno. Ele próprio está retratado numa pele escalpelada com a face do artista, pendurada quase aos pés de Cristo. Seria sua Assinatura na obra? Impressionante!

No entanto nem sempre a Capela Sistina esteve como se vê agora. Ao longo dos séculos sofreu várias restaurações e limpezas pouco técnicas ou seguras. Passou por repinturas, vernizes inadequados, sofreu com a fuligem das velas e umidade do clima romano.

Em 1960 alguns afrescos foram restaurados.

A última e completa restauração aconteceu entre 1979 e 1994, sob o comando do Restaurador Gianluigi Colalucci. Rendeu muita polêmica! Uns estudiosos diziam que não seria mais obra de MICHELANGELO, outros que esta, agora, era a verdadeira obra do artista, mostrando a intensidade de suas cores.

A verdade é que ficou belíssima!

Em 8 de abril de 1994, o Papa João Paulo II entregou ao mundo a nova CAPELA SISTINA. Foram estas as suas palavras: “Este é um santuário da teologia do corpo humano”.

Hoje o local aberto à visitação é climatizado e cuidados especiais são tomados com o público de cerca de 3.000 pessoas por dia.

Michelangelo nos legou um complexo magistral de composição pictórica, numa comunhão da Arte com o conhecimento científico

MICHELANGELO DI LUDOVICO BUONARROTI nasceu em Caprese em 6 de março de 1475 e morreu em Roma em 18 de fevereiro de 1564.

*A técnica do afresco.

Era muito utilizada no Renascimento. O artista aplica pigmentos coloridos moídos e dissolvidos em água sobre uma superfície recém revestida de argamassa com gesso e cal. Com a massa ainda fresca faz os desenhos, mistura os tons, as nuances e aguarda a secagem. Neste ponto a argamassa estará rígida como pedra e os pigmentos absorvidos de tal maneira que se tornam parte do revestimento da parede. Não se trata de pintura convencional com tintas e pincéis.  É trabalhosa, muito difícil e muito sujeita às variações de temperatura e umidade.

Referências:

-ALL THE WORKS OF MICHELANGELO-Michelangelo and his restored SISTINE CHAPEL-

Luciano Berti .

Ed BET- Florença, Itália – 1998

-A ARTE SECRETA DE MICHELANGELO- Uma lição de Anatomia na Capela Sistina.

Gilson Barreto e Marcelo G. de Oliveira

Ed. ARX- São Paulo, Brasil, 3ª edição- 2004.

Fotos –Internet.

Sem comentários ainda.