Regina Motta

Athos Bulcão

ATHOS BULCÃO nasceu no Rio de Janeiro, em 2 de julho de 1918.

Tentou e logo abandonou o curso de medicina em 1939. Um ano depois,  já expunha no Salão Nacional de Belas Artes. Logo após , premiado, viajou a Paris com bolsa de estudos.

Artista de muitas faces que revelam um homem de grande sensibilidade. É,  na verdade, um artista múltiplo.

Foi desenhista, gravador, pintor e muralista. Esta última manifestação artística tornou-o conhecido mundialmente.

Athos Bulcão iniciou-se profissionalmente como fotógrafo. Nos anos 50, o Brasil presenciou a divulgação dessa arte e a criação de importantes foto clubes.

A fotografia abstrata crescia no âmbito desses núcleos. As fotos eram trabalhadas sofrendo importante alteração nas imagens originais e delas desviados os padrões dominantes. Tudo era criado em laboratórios com utilização de recursos de composição, cores e contrastes, cortes e texturas. Nascia a fotografia construtiva,  adotada por Athos nas suas foto montagens(1952).

A foto montagem era formada com partes das fotografias que eram recortadas, coladas e novamente fotografadas quando se obtinha a unidade da superfície e acabamento. Athos foi um mestre desta técnica.

A partir dos anos 40,  a arte do azulejo renasce no Brasil nos ateliers de grandes artistas passando por um desenvolvimento surpreendente. Em 1945, Athos estagiou com Portinari  trabalhando  na composição dos azulejos dos painéis da Igreja da Pampulha, em Belo Horizonte.

A partir desse momento, já participando do atelier de Portinari, Athos inicia uma fase de construção do azulejo como módulo que com sua luz, cor e superfície explode sua potencialidade de criação. A azulejaria encontra em Athos um apaixonado.

Em 1958, inicia-se uma parceria duradoura e magnífica com o arquiteto Oscar Niemeyer. Vindo para Brasília a convite daquele mestre,  aqui se destaca com a arte nos muros da cidade em construção. Os muros de Brasília se tornam belíssimos murais. Reforça-se a vocação construtivista da cidade como espaço único, universal e livre na arte da azulejaria.

O desenho modular dos azulejos de Athos é entregue pelo artista aos operários. A partir daí, valorizando o fazer, o operário distribui as formas ao seu bel prazer! A alma do artista é liberada. Não há um esquema a seguir, não é um quebra cabeça, é pura criação!

Athos está para os muros de Brasília assim como Niemeyer está para sua arquitetura.

Partindo do azul e branco colonial português, como na Igrejinha da SQS 308, segue para o colorido quente e ensolarado, como no painel do Foyer da Sala Martins Penna, do Teatro Nacional Claudio Santoro. E o que seria da face sul do Teatro Nacional sem os relevos de Athos Bulcão?

Muitos murais em grandes monumentos e edifícios em Brasília estão assinados pelo artista. O mural em madeira do Palácio do Itamarati, o de mármore do Supremo Tribunal Federal, os azulejos das escolas classe da Asa Sul, os relevos do Panteão da Liberdade, os murais do Congresso Nacional e muitos outros.

Athos Bulcão se notabiliza por ser quem melhor compreendeu a interrelação arte e arquitetura no século XX.

Brasília pronta, Patrimônio da Humanidade, o artista parte para uma nova parceria, desta vez com o arquiteto João Filgueiras Lima, o”Lelé” que projetou os hospitais da Rede Sarah, em Brasília e outros estados. Athos desenhou grandes painéis recortados em relevos que se destacam nas paredes dos espaços destes prédios. Alguns foram baseados em suas serigrafias lindamente coloridas. Nesta fase Athos trabalha o espaço de maneira complexa, as formas saltam, a cor não obedece regras.

E foi ali, em 31 de julho de 2008, no Hospital Sarah que Athos Bulcão, aos 90 anos de idade, fechou os olhos e partiu para o mundo dos sonhos.

Brasília é a sede da Fundação Athos Bulcão que neste momento expõe painéis fotográficos sobre a obra do mestre, no Shopping Boulevard.

Referências:

-Athos Bulcão-  Paulo  Herkenhoff /Minc.

Ed. Coronário-1987

-Exposição  do Espaço Shopping Boulevard

-Fundação Athos Bulcão

Fotos internet.

Uma opinião para “Athos Bulcão”

  1. Cléa Sá
    clea
    17/04/2013 at 18:41 #

    Regina

    que bela escolha. Athos Bulcão é mesmo muito importante para Brasília e sua matéria está ótima. Parabéns!