Histórias

Narrativas esporádicas

RSS para esta seção

As tias

Lembro-me e começo a cantarolar baixinho uma toada antiga que meu pai cantava: A garça vai avoando Baixa aqui baixa acolá À procura de amor firme Que nessa terra não há   Enquanto me vêm os versos, me vêm também histórias antigas das minhas tias. Comecei a ouvir falar de Maria Gomes, irmã mais velha […]

14 Comentários Continue Lendo →

João Cinza

 João Cinza não era cinza, era preto. Canoeiro de profissão, era muito útil naquela cidadezinha onde quase todo o transporte era feito em canoa. cidade era Araioses, só areia, e para tudo se ia a Parnaíba: médico, dentista, compras. Isso há muito tempo atrás. Canoeiros, outros haveria. Deles não sei. Sei de João Cinza, nosso […]

4 Comentários Continue Lendo →

Donana

  Ana, dona Ana, Donana, nomes de minha avó, mãe do meu pai. Não a conhecemos,  só suas histórias. Contavam que morreu de uma alegria. Um irmão que não via há muitos anos chegou um dia para visitá-la. Fez uma festa.  A alegria foi tanta que seu coração não aguentou. Morreu naquela mesma noite. A […]

2 Comentários Continue Lendo →

Cinco Histórias Curtas

  I Eram aparentados e foram amigos a vida toda. Quando se encontravam falavam da família, do trabalho, de dinheiro, de como ia o Brasil. Só não falavam nunca daquela tarde distante em que ela, hospedada em sua casa, lia uma revista e, levantando os olhos, deu com ele, a porta do banheiro entreaberta, um dedo […]

1 comentário Continue Lendo →

Cícero Gomes

Ninguém à primeira vista dava muito por ele. Nem alto nem baixo, mais para magro e um ar manso, que enganava. Os olhos eram azuis e suaves. Esse era Cícero Gomes. Que não mexessem com ele, porém: o ar manso sumia tão depressa que era como se nunca tivesse existido e dos suaves olhos azuis […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Andanças

O modo como ele chegou à casa do Velho era pouco capaz de inspirar confiança. Estava atravessando o rio Tocantins, na altura de Marabá na época das cheias, que é tempo que o rio incha, cresce, vira mar, invade as cidades, toma posse das casas. O barqueiro aconselhou: – “Moço, acho melhor tirar a roupa […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

A avó

Nos meus medos de infância, era para minha avó que corria. Minha avó era uma mulher à moda antiga. Vestia sempre saia comprida e casaquinho de mangas abaixo dos cotovelos variando a cor ou o tecido, nunca o modelo. O cabelo enrolado formava um coque no meio da cabeça preso por um pente e quando […]

Deixe um comentário Continue Lendo →