Crônicas e Contos

Pequenas narrativas

RSS para esta seção

Plebiscito

de Arthur Azevedo A cena passa-se em 1890. A família está toda reunida na sala de jantar. O senhor Rodrigues palita os dentes, repimpado numa cadeira de balanço. Acabou de comer como um abade. Dona Bernardina, sua esposa, está muito entretida a limpar a gaiola de um canário belga. Os pequenos são dois, um menino […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

O Poço da Solidão

Era uma vez…  uma velha fazenda chamada Solidão. Na  Fazenda Solidão, morava uma família bonita_ pai, mãe e filhos. Os meninos estavam sempre fora porque estudavam na cidade. As meninas permaneciam na fazenda. Além da família, morava o Vaqueiro com o filho e a mulher e mais alguns empregados que se encarregavam de cuidar da […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

A bengala da Morte

Quando   Carlos acordou, a Morte já o estava esperando no portão da chácara. Por algum   motivo, ela não conseguia entrar na casa. Precisava que ele saísse,  para abraçá-lo e então guardá-lo em seu   manto cinza.Carlos   fez sua higiene matinal e não quis café. Como era um feriado, achou melhor   comer […]

4 Comentários Continue Lendo →

Coisas bonitas

                    Alguém, sofrendo a maior dor do mundo, com voz sumida me pergunta: essa dor, ela passa algum dia? Sim, respondo com convicção. E ainda se pode ter alegria, você vai ver. Coisas boas e bonitas podem acontecer a qualquer momento. Não lembro especialmente de nenhuma agora, mas sei que podem. Por que não? Quando […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Os Kaixotes

Uma noite atrás, culminando um dia excepcionalmente feliz, vi os remanescentes da Tribo dos Kaixotes dançando rock em volta de uma mesa, como seus antepassados deviam dançar suas músicas primitivas em volta de fogueiras. Já falei aqui das tribos de índios que existiam e ainda existem em Barra do Corda, no Maranhão: os Guajajaras e […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

De real e irreal

Moramos em muitos lugares na minha infância, cidadezinhas perdidas no interior do Maranhão. Nosso pai, funcionário público, frequentemente era transferido de uma coletoria para outra e lá íamos nós, outra cidade, outras pessoas, raízes arrancadas. Desse mundo, o que resta? Quase nada. O mundo em que vivíamos parece tão diferente deste de agora como se […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Ali

Minha dor, eu já disse, é mais pesada que uma montanha. Estão me tratando em um hospital de queimados do Kuait. Ontem me operaram pela primeira vez. Não sei como é. Tiraram a pele queimada? Substituíram por outra pele? Me anestesiaram e essa dor eu não senti. Mas não há anestesia para a dor da […]

Deixe um comentário Continue Lendo →