Crônicas e Contos

Pequenas narrativas

RSS para esta seção

AS TRÊS MOÇAS DE MIRANDA

Toda vez que se fala em moça bonita, me lembro das moças de Miranda. Eram três. Belas moças, sim senhor. Por elas muita gente se perdeu e perdidas foram elas, que beleza demais não serve pra moça pobre não. Da mais velha muito se disse, muito se falou. Por ela estudante perdia prova, chofer de […]

16 Comentários Continue Lendo →

UMA PEDRA, UMA FLOR, UMA NUVEM

Para Lucas  Inspirada em Carson Mc ‘Cullers Lucas não quis almoçar a comidinha gostosa feita para ele e, de propósito, derramou água na mesa. Logo depois, correndo pela sala, tropeçou num vaso de planta e … lá se foi tudo pelo chão. A mãe, zangada, pôs Lucas de castigo.   Sozinho no quarto, Lucas chorou […]

4 Comentários Continue Lendo →

DELZUÍTA

Os pés da menina afundam na grossa camada de areia e é com dificuldade que muda os passos. Tem canelas finas, a menina. E olhos fundos. E cabelos lisos. Magrinha, magrinha é a menina. Vem, trouxinha na mão, atrás da mãe. Que cidade triste é essa? Duas horas da tarde e só um sol de […]

6 Comentários Continue Lendo →

Cartografia de um Pau de Enchente

Thaís Maranhão  Outro dia, um amigo me disse: – Me chamam de pau de enchente! Naquele momento, preocupada com o próximo compromisso, apenas dei um sorriso. Mas essa ideia ficou me intrigando. Como seria a vida de um pau de enchente? Geralmente, quando os conhecemos, eles já estão lá, no meio daquela água, ora seguindo […]

2 Comentários Continue Lendo →

Uma mulher passeia pela rua

E lá vai a mulher andando pela rua. Não vai saltitante que isso não pegaria bem a uma velha senhora, nem ela, mesmo que quisesse, conseguiria realizar tal proeza. Mas vai com o passo firme e seguro, embora vagaroso. Atribua-se a vagarosidade não à fraqueza das pernas, mas ao dia bonito, é dia de céu […]

10 Comentários Continue Lendo →

TAÇA INTEIRA

Por Rubem Alves Você que trabalhou, batalhou, criou os filhos, envelheceu… Os filhos cresceram, saíram de casa, você se aposentou… E agora o tempo se estende vazio à sua frente, pouco importa levantar-se cedo ou tarde, não faz diferença, os dias ficaram todos iguais, não há batalhas a travar, ninguém precisa de você… Cada dia […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

O menino que desenhava na Rádio

  Esta é a história do menino que desenha na Rádio. Aquele famoso. Mas é bem antes dele se tornar conhecido, quando ele ainda era pobre e solitário como eu. Vivíamos uma crise, o dinheiro era pouco, os trabalhos também.  Eram muitos os que viviam pelas ruas emprestando seu talento aos malandros e golpistas. Foi […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Viagem

Na estrada sinuosa e estreita, lá íamos nós, de São Luís para Pedreiras. As árvores da ilha, encorpadas, cerradas, formam um verde só, e o perfume das frutas se evola e chega até nós, apesar da velocidade em que se vai, no caminhão. É um cheiro de sapoti, é cheiro de tamarindo, de juçara, cupuaçu, […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Por que escrever?

É preciso escrever. Necessariamente. No momento o assunto não é o mais importante e sim, escrever. Qualquer coisa. Como exercício.Como treino. Treinar a maneira de colocar as palavras, treinar a grafia, a acentuação, a colocação dos termos. E treinar a inspiração. Para ela também existe treino. É preciso que não fique o pretenso escritor, o […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Adeus, Brito

Álvaro Luís Kassab Brito, caipira galego de olhos azuis cristalinos, batia firme em três ou quatro peças do mais puro Canastra. As pancadas, algo próximo de um murro, eram firmes e secas. Feito o teste, elegia, pelo som, aquela que julgava do meu agrado. Tirava com destreza uma lasca e, na ponta da faca afiadíssima, […]

1 comentário Continue Lendo →