Conversas aleatórias

Sempre um tema interessante em tom de uma boa conversa com Julita.

RSS para esta seção

Conformismo, que nada!

Já saíndo do supermercado ouço de uma senhora, conversando com uma outra, a seguinte fala: a coisa melhor que meu marido me deixou, confesso que diminuí o passo, foi me fazer aprender a dirigir. Confesso também que voltei pra dar uma olhada, não resistí. Só resistí mesmo em me meter na conversa e perguntar se o marido […]

4 Comentários Continue Lendo →

Um olhar contemporâneo sobre o envelhecer

  Muito já se falou de Amor, o filme, pelo destemor em mostrar, do amor, sua face cruel em toda sua inteireza. Longe de mim analisar o roteiro, a direção, a fotografia. Apenas me causa interesse a história que nele se desenrola. Aliás, uma história quase banal não fossem seus personagens pessoas que por seus […]

1 comentário Continue Lendo →

O gosto pelas palavras

Gosto que me enrosco dessa palavra – aleatória . E de outras tantas mais. Gosto dela porque gosto de acaso, avulso, inevitável. Inevitável – acho-a instigante e ao mesmo tempo confortável. Instigante por sua aparência de imponderabilidade, daquilo que não pode ser evitado. Confortável porque, como é inevitável, parece que nos autoriza: relaxe e goze. […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Conversas aleatórias com Julita

          E Julita, hein!, anda desaparecida, preguiçosa em escrever uma linha qualquer…           Reclamou que estava tão quente que mal podia pensar e agora reclama que com a chuva e o friozinho só pensa em dormir. E eu aqui sem nenhuma idéia, sem nenhuma lembrança ou pensamento que arrancasse  Julita de sua preguiça e a […]

1 comentário Continue Lendo →

O inquietante acaso

          Inevitavelmente o final do ano é um tempo de revisões, reflexões e promessas. Talvez por trazer com ele algo de acabado, sem volta. Enfim, leva-nos a pensamentos de finitude e, me parece, daí nasce a quase necessidade que se impõe de decisões, mudanças e projetos.           Nesse movimento de olhar o que já se […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Um quarto de tempo

Estava atrasada. Muita atrasada, aliás. Só lhe restava 15″. Apressadamente ía rumo ao encontro marcado. Iria mesmo assim, decidiu, mesmo que só lhe restasse um quarto de hora. Paradoxalmente diminuíu o rítmo, respirou pausadamente. Então era isso que teimava em se insinuar em sua mente, e que ela teimava em não reconhecer, e se atrasava. […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Conversa

Sabe aquela outra? Pois é, nos encontramos, aleatoriamente, outro dia. Nem tão aleatoriamente, para falar a verdade. A outra queixou-se e queixou-se. Mostrou-se muito desarvorada a princípio, depois começou a destilar sua raiva, o que me assustou. Ainda mais que era dirigida a mim, Julita. Perguntou-me por que a criei se não lhe dava voz […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

De Brasília e seus ipês, e de gratidão.

Gosto de observar a natureza. Não somente as estações quando já se apresentam definidas e dentro do seu tempo. Gosto de me antecipar e buscar suas pequenas transformações, a gestação à qual  se dedica entre a finalização de uma e o desabrochar da outra. Sigo pelos caminhos à procura desses indícios, da sutil mudança que […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Feriado, pra que te quero

Se bem que o que poderia ter sido um feriadão, foi um simples feriado, ou nem isso, um sábado com cara de domingo, mas sempre me ocorre pensar  sobre esse lusco-fusco que foi sendo construído em torno dele: o feriado. Noutros tempos, nem tão distante assim, feriado existia com outras conotações. E, fora a Semana […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Celebridade?

  Celebridade, eu? Nem pensar. Circulo num mundo restrito e quase tão pequeno que caberia nas palmas das minhas mãos. Um pouco de exagero, confesso. Mas o que quero dizer é o seguinte: mesmo não sendo uma celebridade, alguém que frequente as páginas sociais ou tão importantes que o que diga ou faça seja um […]

Deixe um comentário Continue Lendo →