Cléa Sá

Organizadora
  • Facebook
  • RSS for Cléa Sá
  • Mail
Sobre mim, Cléa, exigência do desenvolvedor do site, eis o que tenho a contar: Sou maranhense, de Pedreiras. Vim para Brasília muito cedo, no começo da minha vida e da cidade. Estudei, trabalhei, casei, tive filhos, descasei, sofri perdas e danos, ganhei netos e ainda estou por aqui. Gosto de ler, de escrever, de cinema, de chuva, de comer coisas gostosas, de conversar com amigos, de viajar, de serra, e vou parar de enumerar e resumir: gosto do planeta Terra e gosto de gente. E do Corisco.
Cléa Sá

Últimas publicações escritas por Cléa Sá

O Projeto Rosie

Caros companheiros de leitura A nossa reunião para discutir O Projeto Rosie foi boa como costumam ser as nossas reuniões. Estávamos Andrés, Carmen, Cléa, Flávio, Inês, Josenita, Regina, Roberto, Tadeu, Vilmar e Zita. Sentimos falta dos colegas que não puderam vir. E bebericando nosso vinhosinho do Porto, nos deleitando com coisas gostosas e falando de […]

Cléa no casulo

Vai que eu viro um passarinho e amanhã,bem de manhã vou trinar forte na 215 acordando minha irmã vai que eu viro uma lagarta e me escondo na gaveta ela busca um cigarro e me encontra borboleta vai que ela se incomoda grita cobra e lagarto mas eu vim só para ela e não saio […]

Uma vida em segredo

Na última quarta-feira, dia 24 de junho, nos reunimos em torno do livro Uma vida em segredo, de Autran Dourado. Uma bela noite, adiante-se. Estávamos Bete, Ceissa, Cléa, Heloisa, Inês, Josenita, Regina, Roberto, Tadeu, Vilmar e Zita. Começamos como de praxe tomando nosso vinhozinho do Porto, comendo guloseimas e botando os assuntos em dia. Quando […]

De livros e lembranças do afeto, consolo para momentos tristes

Quando meu pai morreu, não pude assistir ao seu sepultamento. Na hora em que estaria se dando o enterro – palavra terrível – peguei um pano de pó e fui arrumar minha estante de livros. Pegava um livro, limpava, punha no mesmo lugar. Pegava outro, fazia o mesmo. E assim consegui atravessar aquele terrível momento. […]

AFIRMA PEREIRA

Afirmo que na última quarta-feira, dia 27 de maio, nos reunimos para falar do livro de Antonio Tabucchi Afirma Pereira. Estávamos Andrés, Bete, Cléa, Inês, Josenita, Nilma, Noé, Regina, Roberto, Virgínia, Vilmar e Zita. Afirmo, também, que os que não puderam vir tinham motivos sólidos, viagens, doenças próprias ou de familiares e nós os desculpamos, […]

AS TRÊS MOÇAS DE MIRANDA

Toda vez que se fala em moça bonita, me lembro das moças de Miranda. Eram três. Belas moças, sim senhor. Por elas muita gente se perdeu e perdidas foram elas, que beleza demais não serve pra moça pobre não. Da mais velha muito se disse, muito se falou. Por ela estudante perdia prova, chofer de […]

UMA PEDRA, UMA FLOR, UMA NUVEM

Para Lucas  Inspirada em Carson Mc ‘Cullers Lucas não quis almoçar a comidinha gostosa feita para ele e, de propósito, derramou água na mesa. Logo depois, correndo pela sala, tropeçou num vaso de planta e … lá se foi tudo pelo chão. A mãe, zangada, pôs Lucas de castigo.   Sozinho no quarto, Lucas chorou […]

Carta sobre a felicidade (trechos)

De Epicuro a seu discípulo Meneceu Nunca se é demasiado jovem ou demasiado velho para dedicar-se ao conhecimento da filosofia. Aquele que sustenta que não é chegado ainda o momento de dedicar-se a esse conhecimento, ou então que é tarde demais, é como se andasse dizendo que ainda não é o momento de ser feliz, […]

Os velhos também querem viver

Dia 28 de abril de 2015 Uma bela noite a desta terça feira quando nos reunimos para conversar sobre Os velhos também querem viver, de Gonçalo M. Tavares e Alceste, de Eurípedes. Estávamos Andrés, Bete, Cléa, Inês, Josenita, Luisinha, Noé, Regina, Roberto, Tadeu, Vilmar e Zita e o nosso encontro transcorreu no nosso clima costumeiro […]

De ilusões ou pequenas alucinações

Quando eu andava pelos meus sete anos, sempre que ficava gripada meu nariz entupia e, ao me esforçar para respirar, via um campo verde com várias ovelhinhas brancas, umas deitadas, outras andando, outras ainda pastando. Uma paisagem linda, jamais vista antes. Era só fungar, tentar respirar e a paisagem surgia. Isso durou algum tempo, não […]