Arquivo | novembro, 2014

De Pedreiras

Um rapaz se dizia comunista e era olhado por todos com desconfiança. Outro, funcionário do Banco do Brasil, tinha uma perna mais curta, mas sabia falar inglês. E tinha aprendido sozinho. Era um autodidata. Esse era olhado com admiração. Talvez a palavra autodidata (ou saber falar inglês) lhe conferisse prestígio. O doido da cidade se […]

13 Comentários Continue Lendo →

A rua como espaço de ser e a escala para dimensionar. A fotografia de Gérard Castello Lopes

E voltamos ao preto e branco para mostrar um dos mais respeitados fotógrafos da Europa, atuando há mais de meio século até sua morte em 2011. Francês de nascimento mas português de família e coração, Gérard Castello Lopes foi diplomata de carreira, herdeiro de uma famosa distribuidora de filmes em Portugal, jornalista, crítico e assistente […]

2 Comentários Continue Lendo →

KANDINSKY- 1866/1944

Com intensa divulgação em toda a mídia, pouco terei a dizer sobre a magnífica exposição de obras de Wassily KANDINSKY e seus contemporâneos.Só me resta convidá-los para visitar “Tudo Começa num Ponto” que o Centro Cultural do Banco do Brasil apresenta neste momento em Brasília. Com Curadoria de Evgenia Petrova e Joseph kiblitsky, as 150 […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Os deslimites da palavra

Ando muito completo de vazios. Meu órgão de morrer me predomina. Estou sem eternidades. Não posso mais saber quando amanheço ontem. Está rengo de mim o amanhecer. Ouço o tamanho oblíquo de uma folha. Atrás do ocaso fervem os insetos. Enfiei o que pude dentro de um grilo o meu destino. Essas coisas me mudam […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Um Amor em Paris

  Brigitte mora na Normandia, interior da França, junto com seu marido Xavier. Os filhos já saíram de casa e a diversão do casal é criar gado e participar de concursos agropecuários. Eles têm uma vida tranquila, porém Brigitte está entediada e demonstra sua inquietude ao desenvolver uma alergia de causa emocional na pele. Ao […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Julita ressurge

O envelhecer nos traz rugas e dor nas costas, e, inevitavelmente, perdas, muitas, de pessoas queridas e algumas insubstituíveis. Tocamos a vida pra diante a muito custo, o luto parece sem consolo, a dor quase insuportável. Nesses momentos a dor e o desconsolo se tornam quase parte de nós mesmos. O luto carece de tempo […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

De Finados, pequenas histórias e poemas

Hoje fui ao cemitério visitar os túmulos dos meus mortos. Vou todos os anos por ocasião de Finados, não no dia, vou antes ou depois. Vamos de carro, eu e uma amiga, pois os endereços não são próximos e são vários. Vamos de túmulo em túmulo: observamos se estão bem cuidados, fazemos uma breve oração, […]

15 Comentários Continue Lendo →