Arquivo | setembro, 2013

Viagem

Na estrada sinuosa e estreita, lá íamos nós, de São Luís para Pedreiras. As árvores da ilha, encorpadas, cerradas, formam um verde só, e o perfume das frutas se evola e chega até nós, apesar da velocidade em que se vai, no caminhão. É um cheiro de sapoti, é cheiro de tamarindo, de juçara, cupuaçu, […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

A maçã envenenada

A maçã envenenada, Michel Laub Um rapaz de dezoito anos está servindo o Exército, no CPOR. Gosta de rock, tem uma banda, e encontra a primeira namorada, uma mocinha complicada. Quase é pego fumando um baseado quando está de guarda no quartel. Quer ver o show do Kurt Cobain em São Paulo. Dúvida cruel: vai […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

A revolução das cores de Sergei Prokudin-Gorskii

É interessante considerarmos, até hoje, que as fotos em preto e branco muitas vezes representam melhor a realidade do que as coloridas, apesar de enxergarmos em cores. Um dos motivos disso talvez seja a ilusão de que a fotografia em PB manipula menos o real. De qualquer modo, já em meados do século passado, George […]

2 Comentários Continue Lendo →

Por que escrever?

É preciso escrever. Necessariamente. No momento o assunto não é o mais importante e sim, escrever. Qualquer coisa. Como exercício.Como treino. Treinar a maneira de colocar as palavras, treinar a grafia, a acentuação, a colocação dos termos. E treinar a inspiração. Para ela também existe treino. É preciso que não fique o pretenso escritor, o […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Eternamente, onça

Por Aloísio Brandão. ▪ Aos meus amigos Álvaro Russo Kassab e Celso Adolfo, que incorporaram onças na alma e ficaram oncificados na grandeza de suas sensibilidades. A nesga de sol que rebentou, na manhã daquela segunda-feira de dezembro de 1965, foi o fato mais alvissareiro daquelas águas. Enfim, uma trégua na chuvarada. Velhos muros de […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Mãe, por Juci Guedes

Nascida em São Paulo a artista iniciou-se na pintura ainda nos anos 1970, de forma quase autodidata. Morando em São Sebastião desde 1996, Juci entrou em uma nova fase em sua carreira, investindo em pinturas acrílicas e desenho ao vivo. Paralelamente, ela passa a desenvolver técnicas próprias de cerâmica. “A forma de expressão que a […]

1 comentário Continue Lendo →

Poema

Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio ou flecha de cravos que propagam o fogo: te amo como se amam certas coisas escuras, secretamente, entre a sombra e a alma. Te amo como a planta que não floresce e leva dentro de si, escondida, a luz daquelas flores, e graças a teu […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

José Bassit – A fé não costuma falhar

Quais os caminhos da fé? De onde vem esse sentimento de crer no que se vê e no que não se vê? Para José Bassit, imagem e fé são inseparáveis. Ele nos lembra que as primeiras imagens humanas eram sempre religiosas. Só muito mais tarde surgiram as imagens que são mera representação de coisas que […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

De A festa de Babette, reis da Idade Média e Pelé

A baronesa dinamarquesa, Karen Blixen (1885-1962), escrevia com o pseudônimo de Isak Dinesen. Baseada em sua obra foram feitos dois belos filmes: Meus dois amores, com Meryl Streep e  Robert Redford, direção de Sydney Pollack e A festa de Babette, com Stéphane Audran, de Gabriel Axel. Quem não se lembra daquele filme que nos deixava […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Pequeno Breviário de Bernard Shaw

Não há amor mais sincero que o da comida. Cabe à mulher casar-se o mais cedo possível e ao homem ficar solteiro o  mais tempo que pode. A minha especialidade é ter razão quando os outros não a têm. Quando um tolo pratica um ato de que se envergonha, declara sempre que fez o seu […]

Deixe um comentário Continue Lendo →