Arquivo | outubro, 2012

Oração de São Francisco de Assis

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver desespero, que eu leve a esperança; Onde […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

O limpador de chaminés

William Blake   Quando mamãe morreu eu era bem moleque, E ao vender-me meu pai, minha língua a custo é que gritava ‘arre ‘arre ‘arre ‘arre-dor: Durmo em fuligem, das chaminés sou varredor.   O pequeno Tom Dacre chorou ao ser raspado Seu cabelo, tal qual um cordeiro, anelado. Eu disse. Calma, Tom, deixa, sem […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Funeral Blues

W.H.Auden  Pare os relógios, cale o telefone Evite o latido do cão com um osso Emudeça o piano e que o tambor surdo anuncie a vinda do caixão, seguido pelo cortejo. Que os aviões voem em círculos, gemendo e que escrevam no céu o anúncio: ele morreu. Ponham laços pretos nos pescoços brancos das pombas […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Soneto

Luís de Camões   Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no céu eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste.   Se lá do assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Na Estação Central

Edwin Morgan Tradução de Virna Teixeira   Na Estação Central, no meio do dia uma mulher está mijando na calçada. Com as costas para a parede e as pernas afastadas ela  inclina-se, o cabelo caindo sobre o rosto, a saia sombria e o casaco nem sequer levantado. Sua urina bate na pedra com força e […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Chuva

Juan Gelman   hoje chove muito, muito, e parece que estão lavando o mundo. meu vizinho do lado contempla a chuva e pensa em escrever uma carta de amor/ uma carta à mulher que vive com ele e cozinha para ele e lava a roupa para ele e faz amor com ele e parece sua […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Sem título

Hilda Hist   Se te pareço noturna e imperfeita Olha-me de novo. Porque esta noite Olhei-me a mim, como se tu me olhasses. E era como se a água Desejasse   Escapar de sua casa que é o rio E deslizando apenas, nem tocar a margem.   Te olhei. E há tanto tempo Entendo que […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Sem título

Helena Kolody   Somos ilhas no mar desconhecido. O grande mar nos une e nos separa. Fala de longe o aceno leve das palmeiras: mensagens se alongam pelas líquidas veredas. Cada penhasco é tão sozinho e diferente! Ninguém consegue partilhar a solidão. Ilhas no grande mar aprisionadas apenas o perfil das outras ilhas vemos.   […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

O Ministro, o cristão, o matador, o livro.

Música para meus ouvidos e, acredito, de muitos outros, as palavras do ministro Celso de Melo: ” (…) corruptos e corruptores (são) os profanadores da República, os subversivos da ordem institucional, os deliquentes marginais da ética do Poder, os infratores do erário, que portam o estigma da desonestidade (…) E, por tais atos, devem ser punidos […]

Deixe um comentário Continue Lendo →

Livros e leitura

Tenho lido e ouvido com frequência se falar no fim dos jornais escritos em papel. Grandes jornais estão falindo e fechando nos Estados Unidos em razão da crise. Outros estão migrando para a internet, sob nova forma. Aqui os jornais ainda parecem firmes, mas sempre deixando muito a desejar. No momento, minha preferência é pela […]

Deixe um comentário Continue Lendo →