Arquivo | abril, 2012

As gavetas da memória

O homem, internado no sanatório, nos seus raros momentos de lucidez, estranhos e rápidos períodos mais dolorosos que a constante alienação, recordava. Sentia que sua cabeça era um armário cheio de gavetas. Uma palavra, chuva, por exemplo, trazia uma série de lembranças, fatos encadeados a partir da visão inicial da chuva caindo em uma tarde […]

Deixe um comentário Continue Lendo →